Páginas

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Chapter Nine ( Fim da Maratona )

Joseph Narrando

        Eu chamei seu nome inúmeras vezes enquanto ouvia passos no corredor, desamarrei suas pernas sentindo o desespero tomar conta, se me pegassem ali eu era um homem morto. Demi sussurrou meu nome uma vez, começando a se remexer na maca, ficando inquieta, a sacudi novamente, sem tempo pra ser delicado e a vi abrir os olhos, mas ela não parecia estar me enxergando, era como se visse através de mim.
        __Demi, fala comigo__ eu implorei__ vamos, acorde.
        A porta da sala se abriu, me virei assustado e lá estava ele... Marcus, e mais dois caras mal encarados.
        __Eu sabia que você viria__ Marcus disse rindo__ você é tão previsível... Levem ele.
        Os dois homens vieram até mim, tentei lutar pra me defender, mas eles foram mais rápidos que eu e me seguraram cada um por um braço, me arrastando pra fora da sala.
        __DEIXE ELA EM PAZ__ eu gritei enquanto me levavam__ EU VOU MATAR VOCÊ DESGRAÇADO.
        Eu não sabia de onde vinham as palavras, mas eu não conseguia controlar a raiva. Deixei que me arrastassem pra outra sala, Marcus veio atrás e ajudou a me amarrar em uma cadeira, depois mandou que os outros saíssem e trancou a porta, ficando sozinho comigo.
        __Então irmãozinho__ ele parou na minha frente e cruzou os braços__ eu sabia que você viria, só não esperava que fosse enquanto ainda estivesse sem memória. Também não imaginava que conseguiria passar pela segurança, achei que eles te pegariam na hora.
__É, você está sempre me subestimando__ forcei um sorriso, tentando esconder o nervosismo por estar na presença dele desta forma, como um demônio.
__Não farei mais isso__ ele garantiu.
Marcus se aproximou de mim e me encolhi quando estendeu a mão na minha direção, ele puxou a faca que estava presa a minha calça e a girou entre os dedos, analisando a lamina coberta de sangue.
__Obrigada, eu ia mesmo precisar disso__ ele sorriu e pos a faca sobre uma mesa que continha uns objetos bem estranhos e que concerteza não estava ali pra enfeitar o lugar__ sabe de uma coisa Joseph, você não mudou nada não é mesmo? Não aprendeu nada na sua estadia no inferno.
__Isso é o que você diz__ resmunguei tentando soltar minhas mãos de forma discreta.
__Você morreu por causa de uma mulher há séculos atrás, e está repetindo o mesmo feito agora__ ele comentou se sentando na mesa__ sabe, eu achei que você tivesse entendido que o amor não serve pra nada, só pra ferrar com a sua vida. Você sempre foi tão desesperado por atenção e isso acabou com você.
Tecnicamente ele estava certo, minha vontade de atenção, meu amor por Marie, acabaram me matando, mas eu não me arrependia das coisas que tinha feito, os momentos que eu passara com ela foram únicos embora tenha terminado de forma trágica. Eu faria tudo de novo.
__Já você nunca soube o que é o amor__ eu rebati.
__Eu amava Marie__ ele me garantiu.
__Não você não amava coisa nenhuma__ revirei os olhos__ eu me lembro bem, quando nossos pais deram a ideia do casamento você odiou, eu sabia que você não gostava dela, você só fez aquilo pra contrariar a mim, você sabia desde o inicio que eu a amava e me provocava fazendo carinhos nela toda vez que eu me aproximava, você é um hipócrita isso sim.
__Bem... Você até que tem razão em um ponto, eu gostava de provocar você, mas ainda sim gostava de Marie, o tempo que passei com ela fez eu me apaixonar, e doeu de verdade quando você a matou.
__Eu não a matei.
__Mas também não impediu que ela morresse__ deu de ombros__ de uma forma ou de outra foi sua culpa.
Eu não queria ter aquela discussão com ele, eu já me culpara demais pelo que acontecera e não precisava que ele ficasse me lembrando, e agora eu estava preocupado em ser a causa da morte de outra pessoa, eu só tinha que ter tirado ela de lá e não consegui, agora nós dois morreríamos.
__Vai me matar agora ou ainda vai ficar me enchendo a paciência?__ eu questionei zangado.
__Oh não, eu não posso matar você ainda, preciso de você vivo pra trazer Crowley de volta__ ele explicou brincando com a faca__ mas depois que ele estiver livre vou pedir pra que deixe eu esquartejar você em vários pedacinhos e depois queimá-los, ou então comê-los no jantar.
__Faça isso__ era incrível como responder ia ficando mais simples e as ameaças dele já não me assustavam tanto__ e tomara que tenha uma grande indigestão.
__Que seja__ ele revirou os olhos__ vou chamar Amélia aqui pra resolver logo esse assunto. Não vá a lugar nenhum por favor, e não tente nenhuma besteira, ou vai se arrepender.
Ele saiu da sala, me deixando sozinho, aproveitei a oportunidade pra tentar me soltar mas as cordas eram fortes e o nó estava apertado demais. Eu não sairia dali sem ajuda, o que não era nada bom. Fiquei me perguntando se Demi já teria acordado, se estava bem e onde Rebeca estaria agora, ela seria útil com seus truquezinhos aqui agora.
Passaram-se pelo menos dez minutos até que a tal Amélia entrou na sala, uma bruxa concerteza, a irmã de Rebeca pelo que eu tinha ouvido falar, vadia. Ela entrou em silencio e começou a arrumar umas coisas na mesa, fiquei observando em silencio, sem paciência pra perguntar. Ela misturou algumas das coisas que tinham sobre a mesa, alguns pós e ervas e até mesmo ossos que eu concerteza não queria saber de onde vieram mas esperava que fossem de animais, seria menos bizarro. Então ela pegou uma espécie de tigela de metal com uns desenhos esquisitos e a minha faca e se aproximou de mim.
__Então Joseph, já te disseram exatamente por que você está aqui?__ ela perguntou.
__Alguma coisa sobre libertar um demônio, Craley, algo assim__ resmunguei__ e ah, meu irmão quer me esquartejar e comer os pedacinhos.
__É Crowley__ ela me corrigiu__ você o mandou para o inferno faz um tempinho e o prendeu em um lugar de onde não é tão fácil escapar, ainda mais com a porta para o inferno trancada.
__Eu devia mesmo ser foda__ comentei distraidamente__ pra acabar assim com um demônio tão poderoso.
Ela revirou os olhos e deu volta, ficando atrás de mim de modo que eu não podia enxergá-la.
__O caso é que eu descobri um feitiço que pode tirá-lo de lá, mas pra isso é preciso usar o sangue do “exorcista”, no caso você, que o mandou de volta pra lá.
__Sangue do...
Antes que eu pudesse terminar de falar a senti deslizando a lâmina fria da faca pelo meu braço, não deu pra evitar o grito de dor, eu já tinha sido cortado antes, mas aquilo parecia que estava queimando todo meu braço... Senti o sangue começar a escorrer.
__FILHA DA...
__Shh, não seja um bebê, é só um pouco de sangue__ ela se afastou e caminhou até a mesa levando a tigela com o meu sangue__ acho que isso deve bastar.
Ela mergulhou os dedos dentro da tigela e começou a desenhar algo na mesa com o meu sangue, aquilo me deu náuseas. Tentei um pouco desesperadamente agora me soltar, eu não sabia exatamente o que ela estava fazendo, mas eu tinha certeza de que não ia querer ficar ali pra ver.
__Só fique quieto ou vai ser pior__ ela disse sem parar o que fazia.
__O que está fazendo?
__Libera quod adhæsit, aperire ostium quod separat nos. Uniendis in duos ... Vis dominari.
Conforme ela sussurrava as palavras o chão parecia tremer, as luzes começavam a piscar e eu ficava mais assustado. Amélia caminhou até o centro da sala, deixou que um pingo do meu sangue caisse no chão e uma fenda começou a se abrir bem ali.
__Ele está vindo__ ela sorriu__ prepare-se Joe.

Demetria Narrando


Acordei de repente, assustada e sem fôlego. Foi como se eu tentasse me levantar após uma queda de vários andares onde boa parte do meu corpo estava quebrada ou fora do lugar, minha cabeça parecia que ia estourar e o mundo parecia... Diferente. Eu o ouvia chamando meu nome, implorando pra que eu acordasse e aquilo me deu forças pra fazer o certo, mas quando abri os olhos o rosto que vi foi um outro, completamente diferente do que eu esperava.
__Oi Demi__ Marcus sorriu pra mim__ você acordou... Aquele filho da mãe conseguiu mesmo.
__Onde ele está?__ arrumei forças pra perguntar__ o que você fez com ele?
__Ele está esperando pra receber o Crowley agora querida, eu acho que vocês não vão se ver mais... É ume pena não é mesmo?__ ele deu de ombros se escorando na parede__ mas não se preocupe, sua vez vai chegar logo, logo, é só ter paciência.
Crowley, me senti nauseada ao ouvir aquele nome, ele estava voltando, ia me matar e ao Joseph também e não havia nada pra se fazer, nada pra impedir, pelo menos nada que eu conseguisse imaginar naquele momento, o desespero começou a tomar conta de novo, eu não tinha acordado do meu sonho perfeito pra isso, eu tinha que fazer alguma coisa. Meus pés não estavam mais amarrados, tentei me levantar, fazer força contra as amarras da minha mão, mas eu era fraca isso, e congelei quando vi Joseph parado ao lado de Marcus. Mas não o Joseph desmemoriado... O meu Joseph, meu Joseph mau, com aqueles olhos negros e sorriso debochado.
__Levante dessa maca Demi__ ele ordenou__ não temos tempo pra você descansar agora, Crowley está voltando e ele vai me matar, você precisa me ajudar.
Mas que... Olhei em volta assustada, Marcus não parecia notar a presença dele e comecei a achar que eu estava com problemas, eu tinha acordado, não devia mais estar vendo ele. Ou aquilo ainda era somente um sonho? Porque se fosse coisa da Amélia era uma brincadeira doentia demais.
__Pare de me olhar desse jeito__ Joseph resmungou__ levante daí, você é uma bruxa, use seu poder.
__Eu não... Não sei como fazer isso... Eu não... __ nem conseguia formar um pensamento coerente.
__Fazer o que?__ Marcus perguntou me encarando confuso__ do que está falando?
__Você já fez isso antes__ Joseph me lembrou__ claro que foram pequenos incidentes, mas você sabe que pode Demi, use a sua raiva, levante daí e mostre a eles do que você é capaz.
__Eu não posso fazer isso__ disse nervosa, esquecendo que estava discutindo com uma alucinação.
__Com quem você está falando Demi?__ Marcus perguntou de novo olhando na mesma direção que eu agora encarava, mas ele não via o mesmo que eu__ responda minha pergunta agora.
__Eu preciso da sua ajuda Demi__ Joseph disse me olhando nos olhos__ vai me deixar morrer?
Senti que o chão começava a tremer e as luzes a piscar, uma atmosfera sombria pairava no ar e até Marcus se desconcentrou por um momento, sorrindo pro nada, como se aquilo fosse algo bom. Joseph chegou mais perto de mim.
__Ele está chegando Demi, sente isso? É Crowley__ ele murmurou baixinho e de forma sombria__ ele vai me matar, o que você vai fazer sobre isso hã? Vai sentar e assistir?
__Ele está vindo__ Marcus disse sorrindo, esquecendo minha loucura por um momento__ a diversão vai começar logo, antes do que eu pensava.
Todos os sentimentos ruins se juntaram em mim, batalhando pra saber quem tomaria conta, o desespero estava na frente, seguido pela raiva e o rancor, a tristeza e a amargura. De repente me senti diferente, senti que uma energia fluía por todo meu corpo, como eletricidade e era uma sensação agradável, me fez sentir no controle. Olhei em direção as amarras que me prendiam meus pulsos e como mágica elas se abriram sozinhas, me libertando.
__Mas que... __ Marcus me encarou confuso.
Não tive tempo de pensar o que aquilo significava, de tentar entender o que estava acontecendo, eu só sabia que precisava sair dali e ajudar Joseph, eu precisava salvá-lo, eu devia isso a ele. Ele podia não se lembrar de mim, mas eu ainda o amava e isso não apagava as vezes que ele me salvara também.
__Fique onde está garota, não quero brigar com você__ Marcus avisou.
Olhei pra ele, concentrando toda minha raiva em sua figura e quando ele vinha pra cima de mim se encolheu no chão, como se sentisse alguma dor. Aproveitei pra sair correndo da sala em direção a um enorme corredor, com muitas portas por sinal, eu demoraria horas pra descobrir onde Joseph estava, mas parecia que a sorte estava do meu lado. Um pouco mais a frente, algo parecia se espalhar por uma das portas brancas, umas linhas vermelhas formando desenhos estranhos que pareciam ser feitos com... Sangue. Engoli em seco e corri até lá, abrindo a porta que estava entreaberta com um pequeno chute.
A cena lá dentro não era agradável... Joseph estava sentado e amarrado em uma cadeira, toda a sala parecia pintada de vermelho, vermelho sangue e uma fenda se abria aos poucos no chão, aumentando mais a cada segundo. Amélia também estava no canto da sala olhando a cena e sorrindo, engoli meu medo.
__O que você...
Amélia não terminou sua frase, quando a olhei ela foi jogada contra a parede, bateu a cabeça e desmaiou. Entrei na sala correndo e fui até Joseph.
__Como você...
__Agora não__ eu o cortei soltando as amarras__ vamos sair logo daqui.
Corremos pra fora da sala quando uma sombra estranha saia de dentro do buraco no chão e começava a tomar forma... Corremos como dois desesperados de mãos dadas pelos corredores, eu não acreditava realmente que conseguiríamos chegar em algum lugar, mas pelo menos precisávamos tentar.

_____________________________

        Marcus e Amélia correram pelos corredores atrás de Joseph e Demi, mas quando alcançaram a porta do galpão Amélia ordenou que Marcus e seus capangas parassem e deixassem que os dois fugissem.
        __O que?__ Marcus a encarou incrédulo__ está maluca?
        __Eu sei exatamente o que estou fazendo, não me questione__ ela o fuzilou com os olhos.
        __Crowley está lá dentro__ Marcus a lembrou__ o que vai dizer a ele em?
        __Crowley acabou de retornar__ Amélia explicou__ ele vai estar fraco, vai precisar de uns dias até estar em total condições de fazer o ritual, até recuperar todos seus poderes por completo, ele não poderia fazer nada agora.
        __Isso não muda nada__ Marcus resmungou impaciente__ não podemos deixá-los soltos Amélia, Demi usou seus poderes de bruxa pra sair daqui, se ela liberar todos os seus poderes e se tornar uma bruxa completa, vai ser inútil pra Crowley e teremos que começar tudo de novo, ele não vai gostar.
        __Ela não vai fazer isso__ disse despreocupada__ minha irmãzinha Rebeca é esperta demais, sabe que a única coisa que mantêm Demi viva é o fato de precisarmos dela. Ela vai encontrar um outro jeito, vai bolar todo um planinho e não vai ter nenhum resultado.
        __Está cometendo um erro...
__Não, eles estão fazendo exatamente o que eu queria__ ela sorriu contente__ eles vão buscar abrigo e Rebeca vai me levar exatamente aonde eu quero, ela vai me mostrar o caminho.
__O caminho pra que?__ ele questionou com impaciência.
__Não é da sua conta__ ela resmungou__ chame Melissa e siga aqueles dois, descubra aonde vão se esconder mas não os confronte, apenas espione. Eu vou falar com Crowley.
__Ma....
Ele já ia protestar, mas começou a sentir novamente aquela dor insuportável, um sufoco desesperador e se encolheu no chão enquanto Amélia sorria debochadamente pra ele.
__Faça o que eu mandei, e pare de me questionar, ou da próxima vez eu faço isso pra matar está ouvindo?
__Sim__ ele respondeu com dificuldade.
Ela parou o que fazia e ele se levantou.
__Agora vá antes que eu perca a paciência... Em breve teremos tudo que precisamos e o mundo será nosso.

Fim do Nono Capítulo

2 comentários:

  1. Veiiii a Demi é a meia-bruxa mais FODA q eu ja vii a garota é demais hahahaha' Agora so to preocupada com o q a Amélia vai fazer....
    Posta logooo
    Beijokas gatinha seduzentes!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. huasuhashusahuashu tbm acho u.u .
      Ok!
      Beeeeeeeeijos

      Excluir